OFICINAS ARTÍSTICAS

ARTE NÃO TEM IDADE – COMPARTILHANDO HISTÓRIAS ATRAVÉS DAS ARTES PLÁSTICAS E DO ENCONTRO INTERGERACIONAL


Realização de oficinas de artes plásticas voltadas para idosos, de forma a fortalecer a participação na sociedade à integrar gerações distintas. Nas práticas valorizar o compartilhamento de conhecimentos, informações, experiências, que unem ancestralidade e contemporaneidade, histórias, aprendizados entre os idosos, crianças, jovens e adultos.


Objetivos: a) Valorizar os sonhos, fantasias, experiências, desejos e histórias dos idosos residentes no Lar produzindo pinturas que expressem seus desejos. b) Buscar, por meio das experiências e produções artísticas, o desenvolvimento da sensibilidade, criatividade e expressão dos envolvidos além de valorizar as emoções, sentimentos e características de cada um. c) Desenvolver a auto estima, criatividade e concentração dos idosos e envolvidos.

Conteúdos conceituais

O ponto na arte e na vida. A função da linha como elemento visual. A linhas no dia a dia. O maior ponto do Sistema. A Paisagem, a Figura Humana e os Animais na Arte. Suas histórias, seus significados. O conceito de cor, luz, sombra e volume.

Conteúdos procedimentais

Dimensão do espaço. Proporcções e eixos. Perspectiva. Como pintar com aquarela, vela, esponja. Como mesclar cores. Como pintar com guache, marcadores, lápis de cor e tinta acrílica.

Conteúdos atitudinais

Confiança, criatividade e concentração.

REGISTROS












AVALIAÇÃO

A avaliação é ao considerar processualmente o envolvimento nos momentos de interação social, produções e expressões artísticas dos idosos no Lar.

Registros fotográficos para acompanhar o processo de desenvolvimento das atividades. Outros métodos avaliativos por meio do feedback solicitado aos envolvidos e auto avaliação dos residentes.

Linhas contam histórias, falam das belezas, falam das imperfeições, das marcas do tempo, das evidências do futuro.

Escondê-las é ocultar nossa história, nosso tempo, nossas experiências sejam elas de alegrias ou de sofrimento.

Destacá-las é valorizar, reconhecer nossas vitórias e derrotas. Derrotas estas que nas imperfeições ressignificam os problemas, reiterando o quanto somos fortes, o quanto somos capazes de nos reconstruir e ver a beleza nos problemas que surgem.